Fórum participa da primeira reunião da Câmara de Cidades 4.0 em Brasília

O Fórum Inova Cidades participou na última quarta-feira, 19 de fevereiro, da primeira reunião da Câmara de Cidades 4.0, iniciativa do Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC) para promover o tema cidades inteligentes no país. O objetivo da Câmara é, ao reunir representantes do governo, academia, indústria, setor privado e entidades representativas, debater políticas públicas para estimular tecnologias que melhorem a qualidade de vida da população nos municípios nas mais diversas áreas.

“A ideia da Câmara é ser um espaço de discussão que alavanque a atração de investimentos privados, mapeie e consolide conceitos de cidades inteligentes e estipule uma metodologia de posicionamento de cidades inteligentes e sustentáveis no cenário nacional”, explica a presidente do Fórum, Cris Alessi, que participou da reunião em Brasília.

Durante o encontro, foi proposta a criação de quatro grupos de trabalho dentro da Câmara: Carta de Cidades Inteligentes; Sistemas e Soluções para Cidades Inteligentes; Indicadores e avaliações; e Sustentabilidade e Pesquisa. “O Fórum já tem representatividade na Carta de Cidades Inteligentes, e vai estudar próximos passos para participar dos outros grupos de trabalho”, afirma Cris.

A presidente do Fórum reitera o quão importante é a cooperação com o governo federal, os ministérios, a academia, a sociedade civil organizada e os empresários no debate e na execução das ações e dos mapeamentos propostos para os municípios. “Acredito que o Fórum pode contribuir muito com sua visão estratégica e experiência na execução da política de cidades inteligentes dentro do ambiente urbano municipal”, diz.

Sebrae apresenta programas de inovação para estimular empreendedorismo nos municípios

O Sebrae Nacional, serviço de fomento ao empreendedorismo no Brasil, tem passado por grandes transformações para se aproximar de tendências mundiais de inovação. Nesse movimento, um de seus objetivos é se conectar aos municípios, oferecendo soluções que ajudem a melhorar a gestão e gerar empregos. “O mundo está passando para uma sociedade de serviços, e o Sebrae vai entrar forte na questão tecnológica de transformação digital”, afirmou Paulo Miotta, assessor da Diretoria do Sebrae Nacional, durante o 3º encontro do Fórum Inova Cidades.

“Inovação é vista muitas vezes como algo inacessível e elitizado, mas queremos mostrar que é acessível ao cidadão comum, e que é sinônimo de desenvolvimento”, observou na ocasião o gerente da Unidade de Inovação do Sebrae Nacional, Paulo Renato Cabral. Segundo o executivo, 98% das empresas brasileiras são de pequeno porte. “São elas que fazem o país acontecer. Geram trabalho, riqueza e aumentam renda.”

O Sebrae pode oferecer, nesse sentido, ambientes e ferramentas de acesso dos pequenos negócios às oportunidades de inovação. Por isso, desejam trabalhar com os municípios de forma integrada. Exemplo disso é o programa Agente Local de Inovação (ALI): ele reúne mais de 3.500 jovens bolsistas (remunerados pelo Sebrae) que recebem formação para visitar empresas e implementar processos inovadores e de produtividade. O trabalho até agora aumentou o faturamento das mais de 300 mil empresas atendidas em cerca de 45%. “Pequenas cidades precisam criar demanda para pedir esses jovens”, explica Cabral.

Outro exemplo é o trabalho de Denominação de Origem Controlada feita com o queijo da canastra, processo de certificação que aumentou o preço médio do produto em 214% (6.300% de aumento no faturamento) e, com isso, a remuneração de toda a cadeia e o aquecimento da economia da região em Minas Gerais.

O Sebrae e o Fórum Inova Cidades se aproximaram no início de outubro, em reunião em Brasília, para falar sobre a atuação de ambos e discutir a possibilidade de trabalho em conjunto. A partir disso, o Sebrae apresentou no último evento do Fórum algumas propostas que levam inovação às cidades por meio do empreendedorismo. Conheça elas aqui: download da apresentação do Sebrae.

Para mais informações, acesse o site do Sebrae.

Representantes do Ministério da Economia e do Fórum se reúnem para debater desburocratização e digitalização da gestão pública municipal

No dia 17 de outubro, o gerente do programa Cidades e Territórios do Instituto Arapyaú, Marcelo Cabral, e o vice-presidente de Ambiente de Inovação nas Cidades do Fórum, Guilherme Calheiros, apresentaram à Secretaria Especial de Desburocratização e Gestão e Governo Digital do Ministério da Economia as frentes de atuação do Fórum Inova Cidades.

Na conversa com o secretário especial Paulo Uebel e sua equipe, os representantes do Fórum ressaltaram a importância da aproximação com Ministério da Economia e se dispuseram a atuar na conexão entre a esfera federal e os municípios. O objetivo é apoiar na modernização dos processos de gestão e desenvolvimento de inovações para melhoria das cidades.

“Como vice-presidente de Ambientes de Inovação do Fórum e representante da prefeitura do Recife, enxergo diversas possibilidades de articulações entre nosso trabalho e as ações em desenvolvimento pelo Ministério, em especial no que diz respeito à agilização de processos que destravam os ritos burocráticos e facilitam o desenvolvimento dos negócios e a implementação de projetos inovadores”, afirma Calheiros.

Uebel, por sua vez, indicou ao Fórum diversas iniciativas da Secretaria Especial que podem ser replicadas nos municípios no sentido de desburocratizar, tornar a gestão pública mais eficiente e incentivar a digitalização. O download do material pode ser feito aqui.

A Secretaria também conectou o Fórum a uma série de representantes do governo federal para a criação de novas parcerias pela inovação em gestão pública.

No início de outubro, o Fórum realizou de uma série de reuniões com outros ministérios e com parlamentares para ampliar sua representatividade. Saiba como foram esses encontros.

Fórum quer criar pontes entre programas federais para a iniciativa privada e os governos locais

Em reunião no início de outubro, Igor Nazareth, subsecretário de Inovação e Novos Negócios da Secretaria de Desenvolvimento da Indústria, Comércio, Serviços e Inovação, apresentou à equipe do Fórum Inova Cidades programas fomento a ambientes de inovação que podem ser incorporados por municípios. A partir disso, o Fórum planeja pensar nos usos desses espaços para resolver problemas urbanos e da gestão local e estudar a melhor forma de difundir a agenda para as cidades.

1. InovAtiva Brasil

(Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços – MDIC e Sebrae)

Reúne mais de 2 mil startups, 926 delas inseridas no mercado pelo programa. Promove aceleração a distância, é gratuito, envolve todos os setores e abrange todo o território nacional. Etapa seguinte é a capilarização para estados e municípios.

2. Startout BR

(APEX, Ministério das Relações Exteriores e MDIC)

Fomenta a internacionalização de startups por meio de seleção e capacitação para prospecção de mercado internacional. Seu objetivo é alavancar ecossistemas de startups no Brasil promovendo modelo de negócio, ambiente de negócio, retenção de talentos, investimento e segurança jurídica.

3. Marco Legal das Startups

(Ministério da Economia e Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações)

Cerca de 160 pessoas dos setores público, privado e da sociedade civil organizada participaram da discussão sobre os gargalos para startups no Brasil. Foram reunidas propostas de como melhorar o ambiente de negócios, facilitar o investimento, pensar nas relações de trabalho e nas compras públicas. O projeto passou por consulta pública e deve ser publicado como Lei Complementar. Um desafio do Marco é agregar todas as iniciativas para startups nos níveis federal, estadual e municipal. O Fórum poderá atuar na identificação das oportunidades para startups no âmbito local, entendendo como se conectam a cada público e a qual fase de desenvolvimento específicos.

4. Brasil Mais Produtivo

(MDIC, Senai, Sebrae e Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial)

Promove melhorias rápidas, de baixo custo e alto impacto em pequenas e médias empresas industriais. Já atendeu 3 mil organizações e pretende aumentar número para 300 mil até o fim de 2022, ampliando oferta para comércio e serviços.

A reunião com Igor Nazareth sobre os programas federais fez parte de uma agenda de encontros do Fórum Inova Cidades em Brasília para expandir sua atuação e representatividade.

Frente Parlamentar Digital e Fórum Inova Cidades discutem encontro no Congresso de inovação em gestão pública

O Fórum Inova Cidades e a Frente Parlamentar Mista da Economia e Cidadania Digital debateram a promoção, nos próximos meses, de um encontro para promover uma agenda positiva de inovação em gestão pública no Congresso Nacional. A pauta surgiu em uma reunião com a chefe de gabinete do Deputado Vinicius Poit, Antônia Martins, no início de outubro. A Frente, que reúne deputados federais e senadores em torno de núcleos de estudo, é dividida em fintech, govtech e agrotech.

O principal projeto de Poit se conecta ao propósito da Frente Parlamentar e do Fórum. É o Sistema de Emendas Inteligentes, que facilita e simplifica o acesso dos municípios às verbas das emendas parlamentares, contribuindo para a ética, eficiência e a transparência do processo. Hoje, muitas prefeituras não conseguem acessar os recursos por causa da burocracia e dos critérios que misturam, nas mesmas demandas, portes de cidades e necessidades diferentes.

Em contrapartida, os municípios beneficiados (todos do estado de São Paulo) devem comprovar compromisso cidadão (aplicar, por exemplo, o programa ética e cidadania “Um por Todos e Todos por Um” da Controladoria-Geral da União).

O Sistema de Emendas Inteligentes poderá ser incorporado por outros parlamentares de outros estados e adaptado para os assuntos prioritários de cada mandato. Dessa forma, a plataforma contribui para a inovação da gestão pública.

A reunião com Antônia Martins fez parte de uma série de encontros feitos pela equipe do Inova Cidades no início de outubro em Brasília, para apresentar o Fórum e ampliar sua representatividade.

Carta de Cidades Inteligentes deve agregar soluções de gestão inovadoras em âmbito local, estadual e nacional

O Fórum Inova Cidades participa da construção da Carta de Cidades Inteligentes, uma agenda de nível local, regional e nacional que oferecerá diretrizes a governantes municipais sobre o tema. “O prefeito que vai trabalhar com inovação em sua gestão, deve trabalhar com o quê?”, explica Ana Paula Bruno, coordenadora geral de Apoio à Gestão Regional e Urbana do Ministério do Desenvolvimento Regional (MDR).

A agenda, que será aberta, online e colaborativa, é um esforço para agregar iniciativas dispersas de gestão inovadora de cidades, tanto no setor público quanto no privado. A ideia é que o projeto se transforme em uma plataforma de gestão de conhecimento e condução da agenda, mantendo assim o debate vivo e organizando as iniciativas em andamento.

A Carta, uma parceria do MDR com o GIZ (Sociedade Alemã de Cooperação Técnica, em tradução livre do alemão), também deve alimentar e pautar a Câmara de Cidades Inteligentes. Esta, por sua vez, é um espaço de convergência dos programas de cidades inteligentes do governo federal que oferece indicadores para avaliar os municípios em relação às suas práticas de inovação – e do qual o Fórum também foi convidado a participar.

Além de envolver-se nos eventos de construção da Carta, o Fórum Inova Cidades deseja atuar como uma ponte da iniciativa com os municípios, entendendo as demandas locais. No futuro, a Carta passará por uma consulta online antes de seu lançamento.

A reunião sobre a Carta de Cidades Inteligentes foi realizada no início de outubro com representantes do Fórum, Ana Paula Bruno e João Mendes, diretor de Desenvolvimento Urbano Regional, e fez parte de uma série de encontros em Brasília de apresentação e ampliação da representatividade do Inova Cidades.

Fórum é convidado por MCTIC a participar da Câmara Nacional de Cidades Inteligentes

O Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC) convidou o Fórum Inova Cidades para compor a Câmara Nacional de Cidades Inteligentes. A iniciativa está sendo criada para, por meio de indicadores de inovação, classificar e habilitar os municípios para acesso e financiamento de programas federais na área

Em um primeiro momento, os indicadores – desenvolvidos com base nos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável da ONU – vão nivelar as cidades. Na etapa seguinte, cada município terá seu perfil traçado e receberá um plano de ação para conectar-se aos programas.

A Câmara Nacional de Cidades Inteligentes também vai agregar todos programas de inovação do governo federal, organizando um canal único para alinhar a agenda. Em reunião com o Secretário Executivo do MCTIC, Júlio Semeghini, o Secretário de Telecomunicações, Vitor Menezes, e outros diretores e assessores que trabalham com tecnologia no âmbito federal, o Fórum foi reconhecido como um elo importante com a escala municipal.

“Alinhar as pautas municipais com as do governo federal é fundamental para fortalecermos as políticas de inovação no país e andarmos mais depressa na efetividade das ações e tomada de decisões nas cidades”, afirma Cris Alessi, presidente do Fórum Inova Cidades, que participou dessa e de outras reuniões em Brasília no início de outubro para criar conexões e ampliar a atuação do Fórum.

Outras iniciativas para cidades

Durante a reunião também foram debatidas outras ações e projetos de lei de interesse local, como a infraestrutura de conectividades, a finalização do programa cidades digitais, o edital para o acesso à rede 5G, o PLC 79, e o Plano Geral de Metas para a Universalização do Serviço Telefônico Fixo Comutado Prestado no Regime Público (PGMU).

Para que esses programas sejam colocados em prática, Menezes chamou a atenção para a necessidade de construir capacidades institucionais que permitam aos municípios realizar os projetos de inovação – e citou como exemplo a reforma da Lei de Antenas.

Territórios inteligentes

Em um encontro paralelo, o Secretário Executivo de Empreendedorismo e Inovação, Paulo César Alvim, que também faz parte da Câmara de Cidades Inteligentes, sugeriu que o Fórum Inova Cidades atue como interlocutor das agendas nacionais de inovação para o fortalecimento dos ecossistemas locais.

Na ocasião, o secretário apresentou também o Projeto Territórios inteligentes, que busca promover, a partir dos territórios (cidades, metrópoles e distritos) e da gestão de conhecimento, a conectividade, o empreendedorismo e a inovação de forma integrada.