Um dos desafios do século XXI é proteger e ampliar a democracia pelo mundo afora. Mas a confiança das pessoas nesse sistema tem, contraditoriamente, caído cada vez mais. Uma aposta para mudar esse cenário para melhor é inovar o modelo atual de sistema representativo e assim retomar o apoio da população, que atualmente se sente impotente e pouco representada.

A Nesta UK, fundação britânica de inovação, acaba de lançar sua lista anual de previsões daquilo que pode melhorar por meio da inovação. Entre as 10 tendências mapeadas está a emergência de novos sistemas eleitorais que podem salvar a democracia, como o “voto quadrático”.

O novo modelo propõe uma forma de dar força às preferências dos eleitores: com um sistema de créditos de voto (igual para todos), as pessoas podem manifestar o que gostam e não gostam e o quão importante cada tema (saúde, educação, direitos humanos etc.) é para elas. Assim, é possível tanto distribuir votos quanto dar mais de um voto para uma questão que o eleitor considera importante.

“Esse sistema permite que os eleitores expressem sua preferência relativa por várias opções, garantindo, ao mesmo tempo, que apenas aqueles que se preocupam profundamente com uma única opção votem mais nelas”, afirma a Nesta. Mais sobre essa alternativa democrática e as outras tendências podem ser conferidas no site da fundação (em inglês).

Você acredita que a democracia atual deve ser inovada? Escreva para a gente nos comentários.

Leia também